quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Retrospectiva

Hoje senti uma nostalgia profunda ao lembrar-me de tudo. Gostava de estar a iniciar agora o 12º ano que, para mim, foi o melhor ano de todo o meu percurso escolar. É um ano marcante, um ano de escolhas, de metas e objectivos, um ano de "tudo ou nada", mas sobretudo um ano de despedida. No final deste ano vimo-nos obrigados a cortar as raízes e a ganhar asas e este facto pode ser simultaneamente bom como também assustador. O balanço deste ano foi muito positivo, foi um ano em que tive notas excelentes, no qual tive uma vida emocional bastante estável, vivi um grande amor, fiz amigos fantásticos, estabeleci uma relação com os professores extraordinária, ganhei liberdade, espírito de descoberta, e cresci. Sim, este ano cresci verdadeiramente. Sinto que me tornei mais mulher, mais madura, que pus de lado certas "miudices" que ainda estavam muito presentes no 11º ano. Tive oportunidade de conhecer algumas pessoas novas visto que as turmas se fundiram devido às opções, mas consegui além disso reforçar as amizades já trazidas de anos anteriores. Vai custar-me muito (e já custa!) olhar para o lado e não ver a M. e a C., os outros também, claro, mas estas duas pessoas que fizeram parte da minha vida escolar todos os dias vão deixar de estar lá. Com quem irei eu trocar os sorrisos cúmplices durante a aula? E para quem vou olhar sem ter de dizer uma palavra, sabendo que essa pessoa sabe exactamente o que penso? Há certas coisas que me assustam, de verdade. Sou pouco receptiva a mudanças e tenho um medo enorme de fracassar, a todos os níveis: seja uma inadaptação às novas disciplinas (que agora se chamam cadeiras, right?) ou mesmo uma dificuldade em lidar com os novos colegas. A vida está cheia de mudança e esta é a primeira grande mudança que tenho de viver. O que tem de ser tem muita força, mas ainda não consigo olhar para as fotos do baile de finalistas sem que uma saudade enorme me preencha o espírito, porque eu sei que aqueles momentos jamais se irão repetir com aquelas pessoas. Resta-me guardar as memórias e usá-las como força e inspiração. E esperar que as verdadeiras amizades superem a distância e o afastamento que esta nova fase trará. Vamos a isso. Modo faculdade: ON!

2 comentários:

Joana disse...

O 12º também foi o meu melhor ano escolar e confesso que tenho saudades!

Joana Filipa disse...

É mesmo... Mas a vida é para a frente!