quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A conversa entre o pé e o pénis

Vi isto num facebook e achei simplesmente hilariante!

Pé: Tu é que tens sorte, estás aí dentro das calças todo o dia. Eu não, eu ando sempre no chão, dentro de sapatos apertados. Às vezes fico cheio de feridas, bolhas e calos. Na rua ainda corro o risco de pisar porcaria de cão e depois sou esfregado violentamente na relva.
Pénis: Olha que às vezes a minha vida é complicada: estou eu muito bem descansado quando começo a ouvir barulho lá fora, então dou uma espreitadela e o meu dono tira-me do quentinho e mete-me num buraco escuro, mas ele é tão indeciso que me põe e tira, e põe e tira e assim sucessivamente. Eu fico tão mal disposto que, na maioria das vezes, vomito e depois desmaio.

O que eu me ri quando li isto pela primeira vez!!!

Feriado, meu amigo

Calhas tão bem. É do melhor não ter uma aula à quinta feira, não só pelas disciplinas que tenho, como também pelo interregno que se faz na semana, que sabe mesmo bem. Para o ano não teremos o prazer de desfrutar deste prazer (que fixe). E como a minha mãe diz "quando nos tiram direitos é complicado voltar a adquiri-los". O que é uma pena. Por isso acho que devíamos fazer uma revolução, mas esperemos por Janeiro porque não há muitos feriados nesse mês. Janeiro parece-me um bom mês, lá para o meio, dia 15 ou coisa parecida. Assim ficávamos não só com o 25 de Abril como com o 15 de Janeiro. Já que nos tiram o que já tínhamos "ganho", então que criemos novos feriados!
Agora só tenho teste dia 9, de Psicologia, até lá é só trabalhos, que como gosto de os fazer, não me dão trabalho nenhum.
Ricos feriados, e que para a semana venha o 8 de Dezembro que a malta agradece.

Poemas das horas vagas

Quando ambos sorrimos
Gera-se imediatamente uma magia
E eu sei que ambos sentimos
Que haverá entre nós sempre uma empatia.

Pergunto-me incansavelmente
O porquê desta situação
Porque sei inequivocamente
Que nunca abandonarás o meu coração.

Todavia, limito-me a esperar
talvez por algo que nunca virá.
Contudo eu não sei não te amar
e o que sinto por ti aqui ficará.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A maioria das vezes...

Recordações&Saudades


Às vezes tenho saudades, muitas saudades. Saudades cortantes e gritantes. Saudades que até me cortam a respiração. Nesses momentos relembro o que de melhor aconteceu. Relembro os gestos, as palavras trocadas, os conselhos dados, as conversas, a partilha. Relembro o que me dizias, o que eu te dizia. Relembro as mãos enlaçadas, os sorrisos, as despedidas, os cumprimentos. Relembro tudo o que houve de bom. E sinto-me tão preenchida e completa que penso não precisar de mais nada. Depois recordo o mau. Recordo as farpas no peito, as lágrimas pelo rosto, os olhos vermelhos, as discussões. Recordo os amuos, o desprezo, os erros e o desespero. Recordo tudo aquilo que jamais em tempo algum desejaria recordar. Mas recordo porque algo tem de quebrar o sonho fracassado. Algo tem de ser suficientemente forte e imbatível para eu deixar de sentir saudades, para deixar de sentir o desejo abrupto de gostar mais de ti do que de mim. E eu apago todas as coisas que melhor me fizeram com uma única, uma única e singela má recordação. Há coisas que são assim porque têm de ser. Não há explicação, não há causas, não há nada que as possa justificar, até porque qualquer justificação pareceria insuficiente. Há coisas do destino, por ele traçadas e por ele mantidas. E nós não podemos mudar. Nós temos de aceitar. Por muito que custe, que doa, que fira, que mate. Eu lembro e relembro e torno a lembrar, não para sentir que aqui estás, porque isso não é verdade, mas para sentir que um dia estiveste. Que foi verdade, que alguma coisa teria de ser verdade. Mas digo, repito e reitero, se recordar é viver, então eu vivo intensamente, cada segundo.

O que as pessoas querem realmente dizer quando descrevem uma pessoa [está brutal ahah]

Estás solteira e queres namorado. Uma amiga tua descreve-te um homem aparentemente perfeito. Mas será que as palavras que ela usa para o descrever são realmente verdadeiras? Vê o que cada coisa realmente significa!

BSH- Bom sentido de humor. Contudo, um bom sentido de humor pode também significar uma tendência para dizer piadas inconvenientes em público.
Financeiramente responsável- Um teso
Atraente- Vaidoso
Descontraído- Com mau aspecto
Fofo- Gordo
Arrojado- Viciado no jogo
Sociável- Bêbado
Que procura relação casual- Que dorme com outras mulheres
Aprecia fins de semana no campo- Não quer apresentar-te à família e amigos.
Trabalha até tarde- Não se pode comprometer em relação às horas normais dos encontros ou a mulher dele pode descobrir.
Liberal- Quer experimentar sexo anal, sexo a três e sadomasoquismo.
Entusiasta- Virgem
Criativo- Desempregado
Romântico- Já foi casado quatro vezes.
Toca piano- Toca mal

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

I really love...

Coisas mesmo sem interesse nenhum #2

Estava eu e a M. a estudar para o teste de Matemática A que já se realizou faz amanhã uma semana, quando as conversas de fundo são do maior interesse da comunidade escolar. Uma contínua dizia para a outra "acho que o meu marido me anda a trair" ao que a outra responde "eu também já achei isso, mas coitado, só chegava tarde a casa porque ficava a fazer horas extraordinárias para me comprar um carro!" e vira-se a outra "pois, mas eu ando desconfiada" e a outra "tem calma, mulher, às vezes estas coisas são significam nada. Eu não tinha motivos nenhuns para duvidar do meu homem".
E pronto, é isto que se faz no horário de expediente, é isto que se faz todos os dias, a cada dia. É para isto que são pagos ordenados.
Como a M. dizia "Joana, se eu algum dia ficar assim, certifica-te de que acabam comigo".

domingo, 27 de novembro de 2011

O silêncio do amor


O silêncio é das falas mais fortes que existem. Uma forma de expressão tão intensa que nos vai destruindo, a pouco e pouco, tão subtilmente que chega a ser quase imperceptível aos olhos, mas inequívoca ao coração. Diz-nos mais do que não diz, diz-nos simplesmente, que caso falasse, seria ainda pior. Mas nós preferíamos o pior. Preferíamos a mágoa das palavras ao desespero do silêncio. Ao menos sabíamos com o que podíamos contar, não é? Sabíamos que estávamos mal, pessimamente mal, irreparavelmente mal. Com o silêncio, não. Com o silêncio fica a dúvida, ténue e transparante, de como seria se soltássemos uma palavra. Uma mera palavra. Não temos nada a dizer, contudo fica sempre tanta coisa por partilhar. Mas o silêncio fala mais alto, e toma uma proporção tão elevada no nosso quotidiano que já nem sabemos bem se falamos ou não falamos, ou se falamos e não sabemos que falamos, porque assim que se cruza um olhar, um único olhar, mesmo que de soslaio, são tantas as coisas ditas, verbalizadas, gritadas e exacerbadas, que nos deixam meios adormecidos no meio de tanta falta de comunicação. Não é o silêncio que faz esquecer, ele apenas não deixa doer. Pelo menos não tanto. Afasta do pensamento aquilo que menos desejamos lembrar, não obstante de trazer, em certas horas e momentos inoportunos, com ainda mais veemência todos os desamores e desventuras. Com o passar do tempo vamos aprendendo a viver com a ausência, com a falta e a carência, e é com a inocência de crianças desprotegidas que continuamos a caminhar. Passos pequenos e fracos, passos que praticamente não deixam marca continuam a ser dados, continuam a suceder-se, mas ao acaso. Passos escondidos por entre sombras de melancolia, passos que ansiamos apagar, passos que nos permitem entreter a vida, e não vivê-la. Ao fim do dia, deitados sobre as memórias e recordações, o silêncio adensa-se. O silêncio começa a matar-nos e a ferir-nos, o silêncio de quem mais amamos parece ter uma força tão austera que nos faz chorar. E choramos. E limpamos as lágrimas. E recompomo-nos, com a certeza de que, um dia, o nosso amor vai gritar, gritar tão alto que nenhum silêncio o poderá calar.

Beauty&love

E o fim-de-semana já foi

Depois de estudar tanta Biologia sinto-me uma perfeita doutora. Aquilo tem tanta coisa que é preciso saber que me sinto uma enciclopédia, pronto. E depois vem a hereditariedade que é giríssimo (e fácil) porque só temos de perceber, decorar não é mesmo quase nada. O que é deveras perfeito. Pelo menos para mim, que odeio empinar sobre o que quer que seja. Menos história, vá. Eu adorava aquilo, mas desde o 9º ano que não tenho. Que pena...
Hoje de manhã comprei umas calças e uma camisola na H&M. É uma loja à qual não costumo ir, porque nunca veja nada do meu agrado, contudo hoje entrei, experimentei, gostei e comprei. As calças são de ganga escura e a camisola é creme de lã.
Agora parei para vir ver as coscuvilhices do momento e para desanuviar a cabeça. Com tanta genética ainda rebento.
Hoje dá o American Horror Story. Gostava de ver. E não gostava de ver. Gostava e não gostava, percebem? Logo às 23:30h logo me decido. Enfim, vou estudar.

sábado, 26 de novembro de 2011

Lá está...

Sweet Saturday

Bom fim-de-semana, amigos. Hoje acordei mais tarde, pelas 10 e pouco. Soube bem dormir até mais tarde. Depois de uma longa conversa, acordei exactamente no momento em que os lábios dele e os meus se tocaram. Deu para perceber que tinha lábios macios, mas nada mais. Odeio quando isto acontece, odeio quando acordo na parte melhor! Mas como sabia que estava a sonhar (sei quase sempre), não me importei, visto que de uma forma ou de outra não ia ser realidade... Comi um rissol de camarão, eu adoro rissóis de camarão. E agora aqui me sentei, para ver as novidades do Facebook e do Blog. Nada demais, que vida monótona. Daqui a nada vou dar um jeito a este quarto que já não me entendo com tanta roupa espalhada e com tantos livros pela secretária. Mais logo há derby. Ai meu deus, há mesmo derby. Se vibro com os jogos do Benfica, com este então... Se nós perdermos vou ficar muito chateada, por isso, caros jogadores benfiquistas, por amor às pessoas que têm de socializar comigo, marquem golos suficientes para ganharmos! O resto do fim-de-semana será a estudar Biologia... Que seca, que treta, que tudo. É a disciplina que menos gosto este ano. Dá para acreditar? E era das minhas preferidas! Este ano a que mais gosto é Matemática (lets laugh?!) Matemática! E garanto-vos que algo que nunca combinou foi Joana&Matemática, mas pronto, adiante. Hoje o que tenho de fazer é estudar como resolveria os vários problemas da infertilidade. Lá terá de ser, não é? De resto... Só espero ver o meu Diogo que está cada vez maior e mais bonito!
Já falta pouco para as férias, yes yes yes.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Olha a Joana lamechas - As melhores



C.J.M., True love

Sondagem Nº 27 - Alguma vez traíste o/a teu/tua companheiro/a?

Primeiro as boas notícias: a maior parte dos votantes nunca traiu ninguém. Agora as más: dos traídos, a maioria não sabe que o foi! Aqui ficam os resultados da votação:
1º Lugar - Nunca traí ninguém - 76% da votação - 52 votos;
2º Lugar - Sim, mas ele/a não descobriu - 13% da votação - 9 votos;
3º Lugar - Sim, e ele/a perdoou-me - 8% da votação - 6 votos;
4º Lugar - Sim, e ele/a não me perdoou - 1% da votação - 1 voto.

Penso que já manifestei a minha opinião em relação à traição aqui no blog, ou não? Sem mais demoras, eu tenho quase a certeza que não perdoava. Contudo sou apologista do "nunca digas nunca" portanto não digo que desta água não beberei. Todavia, estou convicta de que seria dificílimo perdoar tal coisa, até porque já me aconteceram determinadas coisas, não traições, mas sim traição da minha confiança, mesmo em termos de amizade e que não consegui superar nenhuma das vezes. Portanto, amigos, não traiam... Se querem estar com outra pessoa sejam sinceros, somente isso. Mais vale do que fingir que está tudo perfeito e depois andarem a dar "facadinhas" nas costas. Obrigada por todos os votos e pela sinceridade (espero). Votem na próxima que vou, de seguida, colocar*

What a girl deserves

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Escolhas

É o que mais fazemos. Todo o dia. A toda a hora. Escolhemos tudo, desde o que comemos ao pequeno almoço como que profissão queremos seguir. Escolhemos o que está ao nosso alcance, somo donos das nossas decisões e cativos dos nossos ideais. O pior é que há coisas que não podem ser escolhidas. Há coisas que nos são impostas, coisas que não podemos negar, coisas que temos simplesmente de aceitar. Coisas que não está ao nossos alcance decidir. Coisas que para nós jamais serão meras "coisas". As nossas acções conduzem a repercussões, mas e quando não agimos e temos essas mesmas repercussões? E quando estamos totalmente alheios à realidade que nos rodeia e, mesmo assim, levamos com um balde de água fria pela cabeça abaixo, por algo que não fizemos, que não escolhemos? Enfim, habituamo-nos. Porque não há nada mais que possamos fazer. Há realidades que chegam a nós sem que as tenhamos pedido. Vêm como uma oferenda amaldiçoada, uma imposição indesejada, um calafrio que percorre a espinha e nos deixa com o estômago às voltas. E perguntamos nós, ingénuos, inseguros, perdidos e revoltados "mas que fiz eu? Terei mesmo escolhido isto para mim?". Não. Não escolhemos, ninguém escolheu. São coisas da vida, são coisas que acontecem por acaso, ou com um intuito que desconhecemos. Nem tudo está nas nossas mãos, por vezes a nossa vida é guiada por mistérios do destino, outras tantas é guiada por terceiros. Andamos ao sabor dos ventos e das marés. Nem sempre conseguimos que o barco siga a rota que queremos, contudo, mais cedo ou mais tarde, ele há-de endireitar-se e seguir o caminho pré-destinado.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

True love cannot die

Assim um texto de quem não tem nada para fazer (mas tem!)

Acabaram-se os testes de Matemática por este período. Que descanso, que alívio, que tudo! Poderá, eventualmente, haver um quarto teste, sim q-u-a-r-t-o, porque as notas do primeiro teste não foram muito famosas, contudo como eu não me posso queixar da minha não sei se o farei. Se o fizer é mesmo para tentar ter 18 este período. Agora falta a segunda rodada dos outros todos. O primeiro deles é Biologia, no qual vem basicamente a mesma matéria que saiu no anterior, com a junção da hereditariedade de Mendel que é, por sinal, o tipo de hereditariedade mais simples. Vou começar o estudo para o teste e fazer mais exercícios e novos resumos e essas coisas chatas que faço sempre antes dos testes (nem que seja por descargo de consciência).
Falando de coisas mais interessantes, ando a ver uma série que adoro! The Walking Dead. Penso que ainda não a mencionei no blog, mas estou completamente viciada naquela porcaria. E a forma como acabam sempre os episódios só me faz querer ver o próximo, e visto que só dá uma vez por semana (às terças às 21.30h na Fox) ando uma semana inteirinha a pensar "mas quando é que é terça-feira?!?!". Está por aí a começar a minha Anatomia de Grey (yes, yes, yes). Começa dia 8 de Dezembro na Fox Life. Mal posso esperar! Ahh e o Spartacus recomeça em Janeiro, já com um novo actor, infelizmente... Aconselho vivamente qualquer uma destas séries, são espectaculares, cada uma de sua forma, pois são totalmente diferentes umas das outras.
Hoje não tive aula de Português, ao que parece a stora teve uma enxaqueca enorme e não pode dar a aula.
Mas o melhor de tudo é que... Amanhã vou ver o Amanhecer!! Estou completamente desejosa. Não quero ir ver este filme com ele para me poder babar com o Jacob, ver com um rapaz não tem piadola nenhuma, certo? Por isso vou com as minhas meninas para me poder babar à vontade por aqueles abdominais, aqueles bíceps, aqueles tríceps e etc etc. Com ele gostava de ver o "Sem Tempo", que dizem ser muito giro. Isto se entre os treinos de atletismo (sim, ele vai bater o record nacional), o facto de ter de ir montar (sim, tem um cavalo branco, lindo chamado Óscar), e ter cambridge não o impedirem de dispender de uma tarde (ai de ti que não vás, ouviste?!).
Bem, vou voltar aos livrinhos. Porque a vida não é só blog&Facebook!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Aniversário das celebridades #17


A Scarlettzinha (Scarlett Johansson) faz hoje 27 anos. Não és das minhas atrizes favoritas (aliás, até embirro um pouco contigo), mas pronto. Parabéns na mesma.

1 ANO

É verdade amigos e amigas. Hoje o meu blog faz um aninho! Passou a correr este tempo, nem dei por ela. A partir de hoje vou poder reler as coisinhas que já postei e pensar "há um ano atrás estava assim". A partir de hoje vão repetir-se os Invernos, Primaveras, Verões e Outonos. Vão viver-se novas experiências, novas emoções, vou partilhar novos sentimentos. Escrever no blog é não só um interesse, como também um vício. Mesmo que ninguém lesse estas coisas, mesmo que não tivesse nem uma visita por dia, este seria sempre o meu cantinho, onde poderia partilhar o que vai dentro de mim. Obrigada a todos aqueles que me incentivaram a fazer algo assim. Obrigada àqueles que seguem o dia-a-dia da minha vida. Obrigada aos desconhecidos que me vêm dizer que gostam de ler o meu blog. Obrigada aos meus amigos que gostam de ler os meus devaneios. E um obrigada muito especial aos meus seguidores que vêem o meu blog e, como a palavra indica, o seguem. Espero não parar de escrever aqui, de continuar a contar-vos os "sons que preenchem a minha vida". Que este seja o primeiro ano de muitos! Obrigada, de coração.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Aprendam, homens!

Vê lá se percebes que esta é para ti

Eu não sou muito lamechas. Tu sabes que não e até me criticas que pareço, muitas das vezes, distante. Desde que criei este blog tive um namorado, mas nunca escrevi nada, porque nunca achei que fosse necessário fazê-lo. Agora não só tenho vontade como também acho que deves saber o que sinto. Posso resumir isto numa frase simples - se não esqueci em 2 anos e meio, o mais provavel é que nunca esqueça. Tu és daquelas pessoas que mesmo estando longe, estás perto. És teimoso, és estúpido, és ciumento, és complicado, és... assim... tal e qual como eu. Sinto que ao pé de ti nada pode correr mal, porque tu és mais que um melhor amigo, tu estás lá sempre que preciso. Agora estás na aula de Matemática A a pensar em mim [não é?] e eu estou a fazer um interregno no meu estudo de Matemática A para te escrever isto. Porque dizes sempre que não percebes para quem são os textos e tal. Este de certo que percebes que é para ti. Há coisas que nunca esquecem, que não morrem, há pessoas, como nós, que deixamos uma marca demasiado forte para ser simplesmente erodida pelo tempo. Acho que não falta saber nada de ti, mas mesmo mesmo nada. De ti e dos que te rodeiam. Acho que podia escrever aqui a tua história de vida e a da tua família. Mas não vou fazê-lo, porque são coisas minhas e tuas, e só nossas. Não vou, como já disse aqui, fazer juras e promessas de amor. Não vou dizer que vamos ficar juntos para sempre. Apesar de estar convicta de que o que eu sinto por você não vai passar. Cause I love you like crazy. Como isto evoluiu de uma brincadeira de putos, mas mesmo mesmo putos, para algo tão bonito. Só quem perde pode dar valor, e eu dou-te tanto, acredita.
Dezembro de 2008. 27 de Março de 2009. O resto das nossas vidas.
SJAP,
a tua BRMFJ

domingo, 20 de novembro de 2011

Isto das hormonas tem muito que se lhe diga...

Ainda não descobri porquê, mas quando ando com muito stress/pressão/discussões/problemas o meu cabelo ficar super oleoso. Mas super! Mas tanto, tanto que hoje não saio à rua com o cabelo neste estado!! É tiro e queda, enervo-me e no outro dia o meu cabelo está num estado lastimável. What a shame.

Vejam o meu príncipe encantado










Amor? Amor é isto.

Esta é para todos os ex's fofos

I miss you all the time

Mas é que não compreendo mesmo. Como é que posso ser tão ingénua... Como posso acreditar tanto nas pessoas. Mas se acredito, é porque elas fazem para que acredite, ou não? E são tão veementes no que afirmam que me levam a pensar que estão a dizer a verdade, aliás, que jamais diriam outra coisa que não a verdade. Como é possível precisar de tempo, dizerem-me que mo dão e depois... E depois pronto, nem é preciso dizer mais nada, acontece o que acontece a todos os rapazes. Usam raparigas apaixonadas por eles para se esquecerem de quem amam porque simplesmente já não controlam o libido. A nossa geração está perdida. Mas mesmo perdida. Num dia amam profundamente, no outro amam profundamente, mas com outra. Enfim, coisas desta sociedade que eu não percebo nem nunca perceberei. O lado bom é que toda este ingenuidade que tenho, e tenho muita, fez-me perceber que não posso viver sem ele. Não posso. Sinto falta de tudo o que me dava. E por isso preciso de o ter aqui. So, don't run away to any bitch, cause the woman of your life is waiting for you. Don't be a sucker.

sábado, 19 de novembro de 2011

Nunca me senti tão bem

Estou feliz por ti. Por mim. Por nós. Estou feliz, feliz, feliz. Das melhores coisas do mundo é falar com a minha mãe. Vá-se lá saber porquê, [talvez porque já viveu tudo o que estou a viver agora?] sabe sempre tudo. Mas tudo. Tudo mesmo. E eu sinto-me tão bem depois de falar com ela... Como se costuma dizer, a primeira vez é por acidente, a segunda é inevitável, mas a terceira... a terceira é o destino. E tu és o destino.

Eu não vou esquecer

E depois dizem para "esquecer o passado". Assim, como se fosse fácil e leviano fazê-lo. Como se esquecer o que fomos, o que foram para nós, o que sentimos, o que vivemos, e tudo o mais fosse apagar um pequeno rascunho escrito a lápis de carvão. O meu está escrito a caneta, a caneta de tinta permanente. E questiono-me incansavelmente como é possível que não estejam todos. É verdade que perdoamos ou, pelo menos, alguns perdoam, contudo custa-me a crer que esqueçam. Porque esquecer não é uma escolha, não podemos escolher esquecer uma pessoa, uma coisa ou mesmo um sentimento. Oxalá que pudéssemos manipular a memória, seria tudo substancialmente mais fácil, todavia, para o bem ou para o mal, ela existe. Eu acredito que haja com um propósito - se nos esquecêssemos simplesmente de tudo o que era mau, então voltaríamos a repetir os mesmos erros, a tropeçar nas mesmas pedras, a cair nas mesmas armadilhas. Assim, não. Estamos atentos, mesmo que inconscientemente, para os perigos que nos circundam. Na vida perdoamos o perdoável, colocamos alguém à frente de nós próprios, não só porque queremos que essa pessoa se sinta bem, mas também porque perdoá-la significa dar-nos a nós mesmos uma nova oportunidade. Mas... E o imperdoável? E a mágoa profunda que nos tira a vontade de respirar? Será que a conseguimos perdoar? Será que conseguimos viver todo o santo dia sem pensar em algo que nos tira a vontade de viver? Eu perdoava, se esquecesse. Mas eu também não quero esquecer, até porque não posso. Eu preciso de me lembrar, de sentir aquela dor profunda e aquela felicidade estonteante. Preciso de viver com o bom e o mau. Não me peçam para o apagar, não me peçam para eliminar do meu consciente aquilo que deixou uma marca tão profunda no meu coração.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Ausência

Não ando com muita paciência para o blog, pronto, são fases. Às vezes prefiro não escrever do que escrever o que não devo. Assim, limito-me ao silêncio. Vou ter teste de Matemática A na terça-feira. Portanto vou começar hoje a marrar. Amanhã à tarde vou estudar para a escola. Oh triste vida, nós estudantes, sofremos, e sofremos bem. É que para além de todos os hiper problemas que completam a nossa vida (abominavelmente despoletados pelas hormonas), ainda temos de nos preocupar com o futuro, e temos de estudar e essas merdas todas. Já viram mais ou menos o meu "mood" não já? É por isto que não escrevo. Talvez até amanhã, amigos!

Poemas das horas vagas

Não somos aquilo que queremos,
vamos sendo, simplesmente, nós.
Baralhados com as coisas que fazemos
Acabamos invariavelmente sós.

Posso perder-me no deserto,
Ou até em alto mar,
Contudo nada te trará para perto
Nem mesmo o facto de te amar.

Por isso aqui permaneço,
A ver a vida passar,
À espera de um novo começo
Que me dê asas para voar.

Joana Filipa

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

sábado, 12 de novembro de 2011

Guess what I bought today!

Um verniz. Sim, também comprei umas calças e um gloss, mas um verniz. Outro verniz. Oh meu Deus, estou mesmo a ficar viciada! Este é rosa e lindoooo. Segunda já o levo nas unhas.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Aniversário das celebridades #16

O Leonardo DiCaprio faz hoje 37 anos. Não te preocupes, és giro na mesma, mas quem te viu no Titanic com 20 e poucos aninhos... Oh meu deus, nem vou comentar! Por acaso acho que foi um actor que, com o passar dos anos, desfeou um pouco. Perdeu os traços gentis, substituindo-os por um fácies mais fechado. Não obstante, és muito bonito na mesma, amigo!

The biggest pain you'll ever feel

Isto da amizade tem muito que se lhe diga


A amizade verdadeira é, talvez, das coisas mais preciosas que alguém pode ter. Contudo, parece que hoje em dia não é assim tratada. Vêem-se mais amizades por interesse, qualquer que ele seja, do que por amor verdadeiro. O ciclo de amigos muda a cada dia e, de um dia para o outro, a melhor amiga passa a pior inimiga. Eu não compreendo. Eu tenho melhores amigos. Grandes amigos. Bons amigos. Amigos. Conhecidos. E chega. Para ser sincera, não me posso gabar de ter imensos amigos, paletes de conhecidos e etc etc. Não. Eu simplesmente tenho as pessoas que me fazem falta, que me fazem sentir bem e de quem gosto verdadeiramente. As amizades vão sendo construídas aos poucos, progressivamente. Não acho normal que duas pessoas se conheçam e, passado uns dias, já são bff! Não faz sentido, mas parece que dá "muito estilo" ser extremamente amiga daquela pessoa, então 'bora lá cumprimentá-la todos os dias, mandar-lhe mensagens, meter gostos nas fotos do facebook, comentar com coisas super simpáticas e dizer que é a melhor pessoa que já conheceram. Estupidez completa. Conhecemos muitas pessoas, com uns identificamo-nos mais, com outros menos. Há amizades que vão crescendo e se tornam em coisas bonitas, lindas, únicas, inesquecíveis. Mas essas são as raras. E eu posso dizer que tenho dessas raras. Tenho duas pessoas que sei, com todas as certezas, que nunca me vão faltar, como eu nunca lhes vou faltar a elas. Nunca, nunca, nunca. Já chorei com os problemas delas, e acho que não seria o que sou hoje se não tivesse a amizade que tenho com a M. e a C. É quase inexplicável a segurança que é ter duas pessoas com as quais sabemos que poderemos sempre contar. Já chorei agarrada à C. tantas vezes que nem já perdi a conta. Já ri tantas vezes com a M. que também me perdi totalmente. Daria o que fosse preciso para que elas estivessem bem, porque eu não preciso de lhes chamar "melhores amigas", não necessito de rótulos porque elas sabem perfeitamente o que são para mim. O que eu sou para elas. O que somos umas para as outras. Estão a ver irmãs de sangue? Os nossos laços são mais fortes.

Biggest wich ever!!


Esta hora surgiu quando estava eu no meu belo teste de Português. Pedi o maior desejo de sempre. Agora vamos lá ver se se realiza. Aproveitem esta data, só teremos algo semelhante para o ano que vem, depois disso... Nunca mais na nossa existência!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

But I will always love you

Sabem, não sabem? Aquela sensação de que todo o vosso mundo se desmoronou mesmo diante dos vossos olhos, sem que vocês o pudessem evitar? Eu tive de seguir. Porque caso não o fizesse, não te teria perdido só a ti, ter-me-ia perdido a mim mesma...

Daqueles problemas que eu espero que passe


A desarruamação. Não é que seja uma pessoa muito desarrumada, aliás, o meu quarto comparado com o de muitas amigas minhas e amigos meus é a personificação do que é a arrumação, contudo há certos vícios que não consigo evitar. Chego a casa, descalço-me e deixo os ténis no quarto porque os chinelos estão sempre no quarto. Dá imenso trabalho ir colocá-los na sapateira, juro (pensem bem na situação - estiveram o dia fora de casa, a ouvir stores durante 4 horas e meia, aturaram coisas que vos chateia invariavelmente durante todo o dia, estão cansados, só se querem sentar e descansar e têm de arrumar os sapatos?! não, é demais). Há também a questão da mala - quando chego tiro a mala e ponho-a no puff porque me dá mais jeito, e como uso várias malas durante a semana, hoje dei por mim com três malas no puff e uma um cima da cama. Eu sei que é demais, eu sei, só que dá mais jeito! Depois são os cadernos... Sempre espalhados pela secretária. Eu tento evitar, a sério. Mas estou a estudar uma coisa, depois mudo para outra e em vez de me levantar e de os arrumar na prateleira é mais prático chegá-los para o lado, visto que a minha secretária é grande e dá para fazê-lo. Ah, quase me esquecia da roupa. Há sempre, mas mesmo quase sempre alguma peça de roupa nas costas da minha cadeira. É mais simples colocá-la lá do que a arrumar nas gavetas e no roupeiro.
É tudo uma questão de tempo - nas férias o meu quarto anda sempre mais arrumado, porque não tenho tanto que fazer, nem tanta coisa para organizar, mas no tempo de aulas, com papéis e mais papéis, e apontamentos, e testes, e coisas que precisam de necessariamente ser feitas, o meu quarto chega a sexta-feira num pandemónio. Vem a sábado, arrumo tudo e penso s-e-m-p-r-e "na próxima semana vou ter mais cuidado e não vou deixar acumular-se tanta coisa". Oh... Quase que isso acontecia.

Aniversário das celebridades #15


Até parece mentira...! Ontem foi o Dr. Sloan, hoje a Dra. Grey. A fantástica Meredith Grey, Ellen Pompeo, faz hoje 42 aninhos. Continuas muito bonita e quero ver-te na 8ª temporada. O mais depressa possível!!

Vá, rapazes, aprendam a ser homens!

One more week

Hoje ainda  não parei praticamente em casa. Cheguei há pouco da última aula - Matemática A. Amanhã tenho teste de Português, para o qual ainda não comprei a folha de teste (que estúpida, Joana Filipa), mas passou-me completamente. Lá terei de comprar amanhã às pressas antes de entrar para o teste. Ando, desde terça-feira, a tentar estudar aquela bodega, mas não consigo. Simplesmente não sei como fazê-lo! Já fiz a interpretação de um poema e também já fiz coisas de gramática dos exames nacionais, mas é tudo TÃO relativo. Sinto que por muito que faça, posso chegar ao teste e não saber interpretar a porcaria do poema que o meu querido Pessoa escreveu, como também posso não mexer uma palha e o teste correr lindamente. Como disse, estudar Português é extremamente difícil. Para a próxima semana não tenho testes (yes, yes, yes), portanto o meu fim-de-semana será ligeiramente mais tranquilo. E digo ligeiramente porque a M. e a C. querem ir correr para o Parque da Paz por causa do Vai-Vem - por mim, esse teste era banido do programa de Educação Física, mas enfim, continuando - vou estar também com o meu Dioguinho. Já não o vejo há uma semana!! É muito tempo para estarmos longe de um grande amor (ele é a coisa mais linda do mundo, juro). E assim, com a sexta-feira à porta, lá vai mais uma semana de aulas. E menos uma semana de vida. What a shame.
P.S. Odeio o frio que faz à noite. Odeio tanto. Odeio mesmo. Pronto, só queria partilhar.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Aniversário das celebridades #14


O meu querido Dr. Mark Sloan, Eric Dane, faz hoje 39 anos. Não te preocupes, querido, até quase a entrar nos quarenta és lindo!

Adorei esta...

Love is when...

Oh meu deus, que medoooooo

Ouviram a trovoada durante a noite? Eu sei que por volta da uma da uma da manhã ouvi um trovão tããããão alto que até dei um pulo na cama!!! E depois escondi-me debaixo dos lençóis porque tenho um medo terrível desta força da Natureza! E agora, que ia sair para a escola, vejo que está a chover a potes! Que horror... Daí que pedi ao meu avô para me ir levar. É tão bom no 12º ano ir de carro para a escola, melhor seria se fosse EU  a conduzir!!

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Os Agentes do Destino


Vi-o esta tarde. Depois de uma tentativa [parcialmente falhada] de estudar Português, decidi ver este filme. Não sei como me veio à cabeça, mas pronto. Já tinha ouvido falar (muito) dele e achei-o ainda melhor do que mo descreveram. Ideal para quem acredita no destino (e para quem não acredita também!). Eu que, como já devem saber, acredito piamente nele, amei o filme. E gostei tanto que até teve direito a uma lágrima no canto do olho.
E se nós estivermos mesmo destinados a uma pessoa? E se nada do que fizermos anular esse facto? Este filme pôs-me a pensar... Vejam que vale a pena. Mesmo.

You're not worth my tears

Às vezes é bom chorar. Não que adiante de muito, mas pronto, alivia.

Chances are limited

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Filmes que quero (muito) ver

  • As Aventuras de Tintin - Sempre gostei muito de ver as aventuras do Tintin e da Milu, talvez um bocadinho motivada pelo meu pai, mas o que é facto é que lhe ganhei o gosto! Não quero perder este novo filme (apesar de já o ter visto com o típico desenho animado do Tintin), mais por ser realizado pelo fabuloso Steven Spielberg;
  • Sherlock Holmes - Vi o primeiro e gostei imenso, por isso quero muito ver o segundo que ouvi dizer que estreia por Janeiro. E o Sherlock Holmes é daqueles filmes que vale mesmo a pena ver no cinema! O trailer está de cortar a respiração;
  • The Vow - Já coloquei aqui o trailer. Tem a participação da Rachel McAdams e do Channig Tatum, actores que eu a-d-o-r-o. A história é tipicamente romântica, mas cativou-se assim que vi a apresentação pela primeira vez. Penso que este sai por volta de Fevereiro;
  • Amanhecer - Já vi os filmes passados e gostava de os ver a todos, mais pela curiosidade de saber como está o filme, porque na verdade já tomos sabemos como é que tudo irá acabar! Nunca li nenhum livro porque simplesmente não tenho paciência, contudo os filmes têm-me agradado.
E pronto, são estes os filmes que gostaria de ver num futuro próximo. Gostam das minhas escolhas ou nem por isso?

Gosto de ficar sentada no alpendre da nossa paixão


Estou sentada, à espera. À espera não sei bem de quê, talvez de um milagre. As tuas palavras costumavam acalmar-me, contudo o que resta são meras memórias obsuletas. Não sei encontrar o caminho de onde vim, porque só sabia caminhar a teu lado. Estou perdida no meio do nada, como se já não me conhecesse a mim mesma, quanto mais a ti. Acreditei no passado mais do que devia ter feito, por isso o presente custa a viver e o futuro custa a chegar. É como se tivesse largado um pouco do que sou em prol do que gostaria de ser. Mas não consigo fingir. Corro atrás do passado, incansavelmente, na tentativa quase desesperada de te trazer para aqui. Mas tu não vens, nem virás. Porque a minha corrida é interior. A ti... A ti deixo-te ir, livre e desligado de mim. Cortei o fio que nos ligava, cortei, e fui eu que o fiz deliberadamente, aquilo que funcionava como uma conexão perfeita. Tudo o que agora resta são cartas escritas, textos guardados, promessas quebradas e palavras perdidas. As recordações guardo-as todas, num compartimento fechado e selado. São minhas. Só minhas. Exclusivamente minhas. Um dia vão confortar-me, naqueles dias em que nada mais me conforta senão o bom do passado. E leio o que escrevi. O que tu escreveste. E noto tanta verdade naquelas linhas que me pergunto como poderá tudo ter-se evaporado assim. Como será possível que duas pessoas sejam tudo uma para a outra, e passado uns tempos não sejam nada? Rigorosamente nada... O amor é demasido estranho para o compreender, tento limitar-me a vivê-lo como posso, como a vida me deixa, mas sobretudo, como tu permites que o viva. É cedo, é até demasiado cedo, mas começo a perceber que a vida é demasiado efémera para se esquecer um grande amor.

Eminem - Love The Way You Lie ft. Rihanna



Eu que não gosto nada de rap, adoro esta música!

Sometimes, it's true...

domingo, 6 de novembro de 2011

E pronto, apaixonei-me...

pelo meu Diogo. Não o consigo largar.

Descobri mais um vício:

VERNIZES. Todas as semanas tenho de comprar um diferente.

Será que se perdoa na medida em que se ama?


É fácil dizer que sim, é fácil afirmar convictamente que faz todo o sentido perdoarmos os erros de quem amamos. Mas na prática... Será assim tão fácil? Será assim tão linear dizer que perdoamos tudo porque amamos determinada pessoa? Não estaremos a deixar de nos amar quando perdoamos algo que consideramos imperdoável? Não estaremos a abdicar de uma parte do que somos e daquilo em que acreditamos quando o fazemos? Eu não sou uma pessoa rancorosa, simplesmente não sou. Perdoo com facilidade e ponho as coisas piores para trás das costas num piscar de olhos. Num dia posso dizer as coisas mais atrozes a alguém, como forma de descarregar o peso que tenho dentro de mim, mas no dia seguinte tudo passou e let's move on. Contudo, há coisas que me ferem de tamanha forma que eu simplesmente não consigo esquecer. E oxalá conseguisse. Eu também fico devastada por não conseguir perdoar, mas perdoar seria abdicar de uma parte daquilo que sou, e desfragmentada, não sei viver. Às vezes mais vale acarretar com o desalento de perder alguém do que de me perder a mim própria. Há perdões difíceis de conceder. Há imagens que não saem da nossa cabeça. Há frases que nos atormentam a cada dia que passa. Há gestos que não nos deixam em paz. Perdoar seria permitir que as minhas convicções, aquilo em que mais acredito, fossem meras quimeras que invento para entreter o dia-a-dia. E não é isso que elas são. Os meus ideais, a minha forma de viver e de encarar a minha existência rege-se por padrões que, para mim, dão sentido às coisas que vou tentando fazer.
Será que realmente se perdoa na medida em que se ama? Talvez, se eu não amasse quem sou em primeiro lugar.

Love it! Easy to say, hard to do

sábado, 5 de novembro de 2011

Uma das coisas piores do mundo é...

... a TPM. Se há meses em que nem a sinto, há outros que ela está tão, mas tão, mas tãããão agressiva! Vocês rapazes não sabem o que isto é, não imaginam sequer como a mulher se sente nestes dias. Coitados, sim, que levam connosco e têm de ter uma paciência dos diabos, mas nós ficamos muito piores, acreditem. Isto de num segundo estarmos muito bem e todas cheia de carinhos e meiguices e no minuto a seguir só nos apetecer partir tudo o que está à nossa frente dá-nos cabo do juízo. E depois tanto queremos muito amor e carinho, como no momento de seguida estamos a mandar todos à merda. Ah, e há o facto de ficarmos sensíveis: qualquer porcarizinha é, para nós, o maior desastre do mundo. E os chocolates e goluseimas e porcarias que só fazem mal são a nossa perdição! Eu, falo por mim, fico tão histérica quanto abúlica. Tanto me rio às gargalhadas como choro a fio. Da necessidade de chocolate... é melhor nem falar. Santa paciência para mim mesma. Que raiva. Que ódio. Que tudo!!!!

O Diogo com 3 dias!

O Dioguinho hoje veio cá a casa e eu, prima babada, fartei-me de tirar fotos. Mais uma vez foi com o telemóvel porque a máquina está descarregada, peço desculpa. Ele está lindo, lindo, lindo!









Nós & Facebook [há imagens giríssimas ahah]