sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Por aqui... estuda-se


Hoje começam os saldos e espero dar uma voltinha pelo centro comercial, até porque bem preciso para desanuviar. Ontem passei o dia em casa, enfiada nos livros. É tanta coisa para fazer que nem sei para onde me virar. (Mas que belas """"férias""""). Sinceramente, nunca pensei que a faculdade desse tanto trabalho! Pelo menos a minha, porque conheço muito boa gente que teve frequências ao longo do semestre e só vai a exame se quiser ou se chumbar, eu cá não! Tenho de ir a exame a tudo, excepto a uma, o que é trágico visto que tenho imensa coisa para estudar. Para o pessoal do secundário ter noção, tenho de estudar mais ou menos (para mais!) o que se estuda para um exame nacional de biologia ou de físico-química, mas tenho 5 exames! (quer dizer, 4, um é frequência, mas calha na altura dos exames, estúpido, não?!). Portanto imaginem-se com o que têm para estudar num exame nacional vezes 5! Perfeito, não? Pois. Vida de cão, totalmente. A organização é fulcral neste momento. E eu não sou uma pessoa de graaandes estudos! Prefiro levar as coisas pela lógica, por isso é que cadeiras como Anatomia me deixam com os cabelos em pé porque é praticamente só decorar. Enfim, depois logo vos digo se os saldos estão ou não a valer a pena! E ainda vem aí o nosso grande fim de ano, mas disso falo noutra altura que agora estou em modo estudo!

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Christmas gifts!

Ontem foi um dia atribulado, dividida entre a casa da vovó e os doces de Natal, e a casa do tio e a respectiva ceia! Quanto aos presentes, como disse que iria partilhar, aqui vai: recebi um telemóvel novo como tinha pedido, um Sony Xperia muito giro, com menus acessíveis e bastante idêntico ao iPhone. Já fiquei viciada nas mil aplicações que descarreguei mas sobretudo no nosso grande amigo... Instagram! Continuando, recebi também um perfume e um creme de corpo da Ralph Lauren porque os meus tinham acabado, mas não contava nada receber esta prenda, pelo que foi uma excelente surpresa. De resto foram "gracinhas" (porque os meus pais sabem que adoro ter montes de prendas para desembrulhar!) como dois vernizes, um azul e um roxo, um estojo de maquilhagem (giríssimo e muito completo!), uns acessórios para o cabelo e dinheiro (essa é sempre a prenda da praxe, não é?). O Natal passou-se bem, com alguns contratempos que não vale a pena referenciar, mas enfim... O mais importante é que estávamos todos juntos à mesa e o meu priminho, o bebé Diogo, agora que começou a andar, fez as nossas delícias. Mais um Natal que se passou e agora... Só para o ano. (What a sadness!!)

Silence

Today I saw you and I was like a inch to send you a message, but guess what? I remained in silence...

domingo, 23 de dezembro de 2012

Almost Christmas


Pois é, este ano não tenho dado tanta atenção ao blog, mas é mesmo por falta de tempo (e alguma falta de inspiração...!). Contudo, não queria deixar passar em branco esta quadra que é, sem dúvida, a minha favorita. Sou daquelas pessoas que adoram o Natal e que nesta altura fazem as pazes com toda a gente e são extremamente "peace&love". Nem eu sei bem explicar, mas a atmosfera natalícia tem toda uma magia que me fascina por completo. Já fiz as minhas comprinhas de Natal e está tudo apostos. O perú e o bacalhau estarão presentes na mesa de Natal, assim como o bolo rei, as filhós, as fatias douradas e por aí em diante. Nesta altura não olho de todo ao que como, mas graças a deus não tenho tido grande apetite para doces, comendo somente os meus adoráveis e imprescindíveis Ferrero Rocher. Esses sim, não podem faltar na mesa de Natal! Hoje à noite irei a uma festa no Urban pelo que a manhã de amanhã será a dormir, mas como não gosto de perder os preparativos para a noite de Natal (que para mim é de longe mais interessante que o dia pela azáfama do jantar e de pôr a mesa e das prendas, etc), durante a tarde irei para a casa a grandma ajudá-la a fazer os doces de Natal. Dia 25 conto-vos as prendas que recebi, e depois vou dedicar-me ao estudo a 100%, j-u-r-o. Sim, porque agora a minha vida tem oscilado entre filmes, saídas, cinema, computador e Sims. E isto não pode continuar! Mas é o Natal, a culpa é toda do Natal...!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

E se o mundo acabar amanhã...

vai ficar muita coisa por dizer. Mas é mesmo assim, há sempre qualquer coisa que falta para nos completar, coisas que não dissemos ou não fizemos pelo simples medo das suas consequências. E se eu acreditasse veemente que o mundo acabava amanhã estaria fora de casa, a resolver as pontas soltas da minha vida, a pôr o orgulho para trás das costas e o coração ao largo. Estaria a beijar e a abraçar quem mais gosto, a perdoar quem já mal me fez, e a aproveitar os meus últimos suspiros. O medo trava muitas das nossas acções e move-nos mais do que nós próprios queremos aceitar. Eu admito que tenho medo de mim, medo do que quero, medo dos meus sonhos, desejos e ambições. Mas acima de tudo tenho medo do que sinto. Porque estou naquela fase que sinto claramente o que não devia sentir, e isso deixa-me angustiada todos os dias. Mau mesmo é quando o que queremos e o que precisamos não são a mesma coisa, e é isso que está a acontecer neste momento. Enfim, amanhã será apenas um dia normal, com as pessoas normais e as rotinas habituais. Amanhã é o meu primeiro dia de férias (yey!) por isso vou aproveitar. Até porque hoje à meia noite não devo estar num estado totalmente sóbrio, pelo que a passagem de dia 20 para dia 21 me passará deveras ao lado...!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Desapego do passado

Sou daquelas pessoas que tende a ficar presa ao passado, às memórias, às lembranças, mas hoje, sem saber bem como, "fez-se luz". Às vezes o que precisamos, o que nos faz bem, o que nos acorda com um sorriso e nos adormece com consolo está ali mesmo à nossa frente e nós é que não queremos ver. Lutamos por causas perdidas e inglórias na tentativa desesperada que aquilo que gostamos nos faça feliz. Mas a verdade é que aquilo que queremos e aquilo que precisamos nem sempre são a mesma coisa. Chega um dia que nos fartamos das lágrimas perdidas em vão e queremos é colectar sorrisos, gargalhadas e bem-estar. Para isso abdicamos daquilo que tanto desejamos, mas que tanta mágoa nos causa, em prol de algo novo, genuíno e que nos relembra que a vida é feita de alegrias e não de melancolia. Hoje peguei no telemóvel, apaguei as mensagens antigas e adivinhem? Sorri.

domingo, 16 de dezembro de 2012

What a sadness!

Não tenho aqui falado muito da minha triste vida porque de facto tem andado triste. "E triste porquê?" Perguntam vocês. Ora porque há exactamente um ano atrás estava eu de férias, a pensar na euforia do Natal, a passar os dias no shopping a comprar prendinhas para a família, a passar fins de semana na cama a ver os filmes todos que tinha em atraso e etc etc. No entanto, esta nova vida de faculdade não mo permite. Estou com trabalho até mais não porque a época de exames começa logo no dia 7 de Janeiro. É isso mesmo, daqui a menos de um mês vamos ao primeiro e diabólico exame - Anatomia! Quer dizer, na sexta-feira passada fiz um de Laboratório de Biologia que me correu bem, mas como aquilo era prático não tem aquele "peso" de exame. A frequência de química já foi e tive boa nota pelo que em princípio faço a disciplina por frequências, escusando ir a exame. De resto - exame a tudo. Vou começar a devorar o Esperança Pina e o Netter, depois passo para as derivadas, primitivas e integrais, de seguida para as moles e a nomenclatura de compostos, continuo para as mitocôndrias, núcleo e afins e por fim para as plantinhas, e famílias de plantas e vacúolos e estomas e etc etc. Se tudo correr bem dia 24 de Janeiro estou despachada, mas como me conheço melhor que ninguém, sei que mesmo que passasse a todas à primeira (o que seria suuuuper bom!) iria querer ir a recurso, pelo que o mês de Fevereiro também deve estar a modos que ocupado. Pensava eu que Exames Nacionais do Secundário eram maus... Poor me!

sábado, 15 de dezembro de 2012

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Os professores têm saídas brilhantes:

Hoje na aula de Matemática, o professor deu uma fórmula toda XPTO para fazer integrais, mas aquele emaranhado no quadro fazia imensa confusão, então uma colega minha perguntou:
- Mas a outra fórmula que já demos continua a dar, não continua professor?
Ao que ele responde:
- Vá, não sejam conservadores. Sejam abertos a novas experiências... (silêncio/risos) matemáticas, claro!

Sim professor, claro...!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

As 9 mentiras mais comuns das mulheres!


  1. O meu peso é... - Vocês nunca saberão o nosso peso verdadeiro porque existe uma grande insegurança à volta dessa temática. Geralmente a maioria das mulheres tende a tirar um quilo ou dois ao seu peso verdadeiro!;
  2. Só tive relações sexuais com... - Caso o número seja baixo, a mulher tem tendência a adicionar mais uns quantos parceiros sexuais para que o homem não a ache inexperiente e, caso seja elevado, tira uns quantos para ele não a achar oferecida;
  3. Estarei pronta em... - Nunca, mas nunca acreditem nos nossos "cinco minutos". As mulheres demoram imenso tempo a despacharem-se, mas se pensarem bem vocês não se têm de preocupar com os colares, pulseiras, brincos, maquilhagem... Portanto não refilem, até porque se demoramos é porque gostamos de nos arranjar para vocês!;
  4. O sexo foi óptimo - mesmo que não seja, a mulher vai dizer que sim. E como é que vocês homens têm maneira de saber se ela está ou não a dizer a verdade? Pois não têm, é que a mulher sabe fingir melhor do que imaginam! E porque é que ela mente? Porque simplesmente não quer ferir os vossos sentimentos;
  5. Eu não estou chateada - Na verdade estamos e muito, mas por vezes não queremos dar a parte fraca e portanto omitimos o nosso verdadeiro estado de espírito. Outras vezes, apesar de chateadas, achamos que não vale a pena discutir por coisas mínimas, portanto mentimos;
  6. Estou com dores de cabeça - Esta dor de cabeça pode significar inúmeras coisas: pode não nos apetecer fazer o que vocês querem, podemos estar chateadas e não querer dizer o porquê, podemos estar com um problema e ficar mal dispostas por causa disso, mas não nos apetecer explicar ou podemos simplesmente ter mesmo uma dor de cabeça!;
  7. Estava em promoção - Esta é a mentira mais comum das mulheres consumistas que adoram comprar tudo o que vêem à frente e, se o homem as chateia com coisas do género "estás sempre nas compras" ou "gastas imenso dinheiro em roupa", a desculpa perfeita é a promoção;
  8. Não me importo que olhes para outras mulheres - No fundo, no fundo, os homens sabem que isto é mentira e se não sabem, deviam saber. Por isso, homens, não ousem olhar para outras na nossa cara, quando não estamos com vocês ainda vá que não vá, mas mesmo ao pé de nós... É suicídio! Já para não falar quando ainda vêm comentar que esta e aquela são giras, digo-vos, é o vosso pior erro!!;
  9. Eu estou bem - Esta resposta é a modos que um "teste" para vocês perceberem o que fizeram e se nos conhecem verdadeiramente para saber se estamos ou não realmente bem! Se a mulher diz isto com a cara carrancuda ou a olhar para baixo, meu amigo, ela não está de todo bem.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

"Putas" e "Gays"

Pois é, há por aí muitas "putas" e muitos "gays" que na verdade não o são, mas a nós dá-nos jeito que o sejam - passo a explicar. Por exemplo, meninas, quando vêem o vosso namorado a olhar para uma rapariga e a dizer que ela é muito gira, e simpática e "bem-feitinha" (eles nunca o dizem assim!), qual é a vossa primeira reacção? Ou dizem que ela é feia, se tiverem um ponto por onde pegar ou, se a rapariga for mesmo gira, qual é a primeira arma? "Ah, ela é puta" ou "Ela é oferecida" ou "Ela anda com todos" ou "Ela é super rodada". Porque nós raparigas, umas mais que outras, somos todas umas ciumentas e apesar de sabermos que vocês olham para elas (tal como nós olhamos para eles...!) não gostamos que as elogiem mesmo na nossa cara, por isso a sua conduta é logo posta em causa, mesmo que sejam a Madre Teresa de Calcutá, que diga-se de passagem muito raramente o são. Por outro lado, temos os rapazes que não são nada menos ciumentos que nós, apenas não demonstram tanto nem de forma tão efusiva, mas que o bichinho do ciúme está lá, isso está. Basta nós dizermos que um rapaz é giro ou querido ou simpático vocês vêm logo com a do "sim, super querido, é um paneleiro" ou "ele diz o mesmo a todas, mas vai na volta é gay" ou "ele é gay, olha só para o cabelo/calças/comportamento etc". Fere-vos que nós digamos que ele é giro e portanto tentam afastá-lo de forma ainda mais radical que nós, dizendo que ele é abichanado e afins. Ora, existem por aí muitos "gays" e muitas "putas" que na verdade não o são, mas este monstro que é o ciúme transforma toda a concorrência em algo a dizimar e qual a melhor dizimação que não a difamação? Pois é, amigos e amigas, quando são elogiados por um membro do casal, acreditem que estão a ser triturados mentalmente pelo outro. É assim mesmo, o que é nosso é nosso e as ameaças têm de ser eliminadas (custe o que custar!).

sábado, 8 de dezembro de 2012

Love story

Our story may not be the perfect story. Because all stories have that bitch who wants to separate us, that asshole who tells a bunch of lies and that anonymous who secretly desires that we break up. It happens, it's called life. But what really matters is what we feel, what we do to make it work. Some do work, some don't. The lack of love is probably the perfect explanation, but in some cases it's not. Truly sometimes we just can't fight anymore. There are too much problems, too much lies, too much things trying to ruin our love and we just can't. Then what? We give up. Our love which was untouchable becomes a nightmare instead of the dream we once had. And we blame ourselves because we knew how much we loved, and still love, each other, but there's nothing to do. Decisions are made and it's too complicated to turn back, even if our hearts cry themselves to death, even if our soul is so dark that we can't actually feel anything again. We quit. Our love story isn't entirely written and our love is not certainly over. But we just move on, and we try to find someone else, hoping that this time everything works out right. But, guess what? It doesn't because there will always be that bitch, that asshole and that anonymous and if you don't fight for what you want, well... you'll never get it.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

And the truth is...

it doesn't matter how much time goes by, I still feel the same way about everything.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A sério?

Ainda não são 17:30h e já está de noite.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Só me apetece dizer asneiras

M#rd@ para a TPM. Só me apetece mandar tudo e todos para um sítio...!

A pessoa errada!

Um dia o homem da tua vida acaba por chegar. Mais cedo ou mais tarde, ele aparece. Aquele que vês que pode hipoteticamente envelhecer a teu lado. A dar-te o sobrenome. A adormecer e a acordar debaixo dos teus lençóis. A aturar-te nos dias em que estás com TPM e que assiste à tua menopausa. O mesmo que não vai ligar muito se engordaste 5 quilos ou se vestes dois números acima, porque ele, e só ele, conseguiu ver para lá de tudo aquilo que é exterior. Quando essa pessoa chegar dá-lhe tudo, entrega-te, atira-te de cabeça sem medos nem reservas. Mas até ela dar de si... Não dês demais a quem não merece. A pessoa certa há-de aparecer, mas até lá... Diverte-te com a errada!

domingo, 2 de dezembro de 2012

Aquelas analogias perfeitas que o meu irmão faz:

João: Em inglês, se "comida" é "food", então "comer" é "foodar", faz mais sentido a asneira, mas não a queria dizer...

O que eu me ri!!!

sábado, 1 de dezembro de 2012

Esquecimento


Há coisas que acabam sem motivo aparente. Acabam, simplesmente. De um momento para o outro deixamos de conhecer uma pessoa e passamos a ver outra, como se o invólucro fosse apenas isso - uma capa vazia sem conteúdo. Aquilo que alguém fora outrora para nós, a forma como nos tratava, o lado que mostrava evaporara-se num piscar de olhos. Repentinamente passamos de "tudo" a "nada". Assim, sem mais nem menos. E quando nos perguntam o porquê, respondemos que foi um "acumular de situações". Um acumular? Pergunto eu. Quem ama, fica. Não desiste. Não vira as costas. Quem ama, luta. Dá tudo. O que tem e o que não tem. Não desperdiça um futuro porque se cansou. Picos? Altos e baixos? Todos temos. No entanto, o mal está quando ficam coisas por resolver, palavras por dizer, sentimentos por findar... O pior mesmo é quando tudo acaba e o nosso coração continua sem aceitar esse facto. E, na verdade, ele tem razão. Porque não lhe demos um motivo suficientemente forte para ele poder esquecer. Limitamo-nos a iludi-lo com um "não deu". Justificação essa que para um coração apaixonado não chega, de todo. No fim, continuamos a chorar quando o assunto devia estar enterrado e os suspiros sucedem-se à mínima lembrança. Os sentimentos não morrem se não forem enterrados. E quem quer enterrar aquilo que nos fez companhia durante tanto tempo? Que nos encheu de sorrisos? O tempo passa, sucede-se... Mostra-nos que "há um ano atrás..." era assim e agora é doutra maneira. No fundo, no fundo a pergunta fulcral é a seguinte: até que ponto conseguimos verdadeiramente esquecer?

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Coisas de inverno

Sabem aquela sensação de chegarem a casa, tirarem o casaco, sentarem-se à secretária e não conseguirem concentrar-se por causa do frio? Pronto, é isso. Só um loooongo banho quente com a casa de banho aquecida é que me resolve esse problema.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

domingo, 25 de novembro de 2012

The love of a life

Um dia essa pessoa virá. Sim, essa pessoa que te faz acreditar no amor de verdade. A pessoa que te faz acordar com um sorriso e que mesmo sem dizer uma palavra te aquece o coração. A mesma pessoa que faz com que as pernas tremam cada vez que pensas nela, que o coração acelere a cada toque, que uma mensagem mude o teu dia. Só essa pessoa te vi fazer querer contar os anos e não os meses, só ela te permitirá fazer projectos a longo prazo e não apenas os que findam daí a uma semana. Só ela conseguirá que tu não te imagines com mais ninguém, que a partilha de outro toque te repugne e o imaginá-la com outra te dilacere o coração. Essa pessoa talvez não seja o primeiro amor, mas será de certo o último. Não será o amor perfeito, mas será o único que te dará forças para acreditar que é possível atingir a perfeição. Porque aí não haverá dúvidas. Haverá discussões, birras, amuos e chatices, mas o "adeus" é uma palavra que não será equacionada e o "para sempre" o motivo de luta constante. As intrigas, as más-línguas, os "diz que disse" passarão ao lado. Porque quando o amor é verdadeiro, vence. Quando o amor é verdadeiro, fica. E se for realmente verdadeiro é para sempre. Por isso, quando esse amor te bater à porta, tu vais sentir. Não me perguntes como, mas vais. Porque sentes que aquela é a pessoa com quem te imaginas casada, com filhos, com chatices matinais e jantares caóticos. É essa pessoa que vês a dar-te a mão na doença e a congratular-te, sem inveja, na vitória. É essa pessoa que não deves deixar fugir, nunca.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Parabéns a nós!

Hoje o blog faz 2 aninhos! Já não vivia aqui sem o meu cantinho. Obrigada a todos os seguidores e não seguidores oficiais mas que seguem o blog e lêem as minhas lamurias, alegrias, tristezas, desesperos, conquistas, vitórias, angústias e emoções. Obrigada por me virem visitar e por gostarem do meu espaço. Obrigada por verem este pedaço de mim, que é a parte mais genuína que tenho. Deixei de escrever só para mim e para um destinatário, mas para um conjunto de pessoas que se interessam por este "diário". Sem vocês não tinha ânimo para escrever. Um sincero obrigada.

O João e os seus dilemas do amor

Eis que hoje o meu irmão me vem pedir conselhos, coisa recorrente desde que se apaixonou. A nossa conversa foi:

João: Mana, tens de me ajudar a afastar o namorado dela.
Joana: Oh João, tu tens é de fazer com que ela goste de ti, não é afastar o outro! Isso é só a consequência. Ela começa a gostar de ti e deixa o outro.
João: Não, é que ela já me acha giro e engraçado. O problema é que eles namoram desde a pré!
Joana: Então, está na altura de mudar... Ele não tem nenhum ponto fraco?
João: Até tem, ele gosta dela e de outra, mas ela diz que não se importa.
Joana: Vais ter com ela e dizes para te dar uma oportunidade, já que ele é parvo porque gosta de duas ao mesmo tempo e tu só gostas dela e gostas muito!
João: Isso é o que os rapazes de 18 anos dizem?
Joana: O quê?
João: Dizem "ah, dá-me uma oportunidade porque eu posso fazer-te mais feliz que o outro..."
Joana: Sim é mais ou menos isso...
João: E isso resulta?
Joana: Normalmente não! Elas gostam do que as faz sofrer...! Mas diz-me, tu gostas mesmo dela?
João: Yh, gosto.
Joana: Então ficas magoado quando a vês com o outro?
João: Oh tipo, magoado não, mas preferia que ela estivesse comigo! E agora vou dizer uma grande mentira que fica sempre bem "eu só quero que ela esteja feliz" ahah mas eu quero é que ela esteja comigo!!

E foi assim o meu diálogo profundo acerca do amor com um puto de 9 anos

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Sabem o que é frustrante?

Estar 3 horas a fazer um trabalho, o computador dar um erro e perder tudo! Isso sim, é MUITO frustrante!

domingo, 18 de novembro de 2012

A mais sexy do mundo!

A Mila Kunis foi eleita pela revista Esquire a mulher mais sexy do mundo! Pessoalmente, concordo de todo com esta escolha. Acho-a linda, simpática, atraente, elegante, comunicativa e claro suuuper sexy! Desde que vi a prestação dela no filme Friends With Benefits que ela subiu imenso na minha consideração. Aqui ficam algumas fotos da actriz:






A anteriormente eleita tinha sido a Rihanna:


Concordam com esta "troca"? Apesar de achar a Rihanna uma mulher bonita... Eu não podia estar mais de acordo!

The sweetest Sunday!

Hoje vai ser um belo dia. Não, um óptimo dia. Não, um excelente dia! Já tinha saudades, finalmente.
Love you, always

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

You know

Não importa que seja dia 1 ou dia 31 ou dia 27. Todos os dias são "bons" para ter saudades.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

And I wonder if I ever cross your mind

Interrogo-me, de verdade. Porque penso que quando te perguntas se estás na minha mente, achas que não. Aliás, achas certamente que és uma página virada, um capítulo encerrado, um acontecimento que cessou e ficou pelo passado. Era melhor que assim fosse. Mas não é. E o que acontece realmente é que penso em tudo. Naqueles momentos em que estou sentada a olhar para o vazio, eis que imagens se começam a formar na minha cabeça, algo que vem directamente dos confins do coração e me adormece o pensamento. Por breves segundos estás ali, a dar-me a mão, a deixar-me encostar a cabeça ao teu peito. É passado. Não, não é. Porque passado é quando está para trás das costas, passado é quando está arrumado. É quando não incomoda. É quando já não faz chorar. Tu mexes. Fazes vibrar. Tu estás aqui não estando. Tu, tu, tu. Por muito que aches que não, és tu. Não lês isto, que não leias. Não escrevo para que saibas, escrevo porque quero partilhar. Não contigo, isso já não vale a pena... Mas com outros. Com quem já teve amores passados/presentes. Com quem já suspirou quando pensava ter esquecido. Com quem morre de saudade de um sorriso dado outrora todas as manhãs. O pior é que te sei de cor. Sei onde deves andar, o que deves pensar. Sei que sabes que ainda estou aqui, apesar de não quereres acreditar. Sei que sabes. Não quero fazer sentido com o que digo. Quero falar, e falar. Porque como o grande Bob diz "saudade é um sentimento que quando não cabe no coração, escorre pelos olhos". E ela escorre, todas as noites, antes de adormecer. Despeço-me de ti assim, com um soluço amargurado e sonhos profundos. Despeço-me não havendo nada para despedir. Estou aqui. No melhor e no pior. Mas um dia vou deixar de estar, porque como a Lexie da Anatomia de Grey diz "I love you, but I don't wanna love you. I want to be happy."

sábado, 10 de novembro de 2012

Frequência, here I go!


Este fim-de-semana vou engolir o Chang. Prometo. De uma ponta à outra. Química, química, química. Não há cá saídas, nem compras (snif snif), nem lazer. Até porque tem fui à Farmo para estudar! Por isso vou ter dois dias recheados de TOM, TEV, Química Orgânica, Hibridação, Modelos Atómicos, Cinética Química e mais uns quantos temas que não recomendo a ninguém! Wish me luck (and patience!)

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Pessoas que metem nojo

Hoje ia no metro e uma rapariga com os seus 19/20 anos muito histérica estava a gozar com um homem cego porque o senhor estava a andar devagar enquanto pedia esmola no metro. Só tenho uma palavra: nojenta.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Dia da Defesa Nacional

Penso ter uma opinião muito diferente da que me foi transmitida por todos aqueles que já lá foram. Estava à espera de algo horrível, pavoroso, secante, monótono e todos aqueles adjectivos que qualificam um mau dia. But, guess what?! Eu até gostei. Primeiro não estava com vontadinha nenhuma de ir! Mas como era obrigatório e a falta de comparência leva a uma multa de 250€ a 1250€ lá fui eu. Também não perdia grande coisa na faculdade, hoje só tinha teóricas. Quando cheguei ao local onde ia apanhar o autocarro financiado por eles apanhei um valente susto, já que não conhecia ninguém e as pessoas que lá estavam eram "mal afocinhadas" se me permitem a expressão! No entanto, rapidamente encontrei uma ou duas caras conhecidas e passámos um dia bastante agradável. As palestras eram dinâmicas, havia filmes interessantes e os oficiais e sargentos eram super simpáticos! A manhã passou-se entre o içar da bandeira (que dá uma enorme vontade de rir por causa da música de fundo!), uma palestra acerca do que era o Dia da Defesa Nacional, Cidadania e Primeiros Socorros e, depois, uma visita guiada a um barco de guerra. De seguida foi a hora do almoço e eu, esquisita como sou, estava à espera da típica comida da tropa com arroz papado e todas essas coisas, mas não! A sopa era canja (lucky me, porque adoro canja!) e o prato principal era frango com arroz e batatas fritas que estava super bom! Muito, mas muito melhor do que a comida da cantina comum das faculdades!! Da parte da tarde fomos visitar os fuzileiros (que pertencem à Marinha, para quem não sabe) e todas as armas, equipamentos e meios de transporte que utilizam. Eu que adoro filmes de acção adorei essa parte. Parecia um rapaz, super atenta às armas e aos nomes e ao que faziam e etc, etc. Aliás, o fuzileiro que estava a mostrar-nos o material referiu o meu adorado Rambo e a arma de 13kg (sim, t-r-e-z-e) que ele dispara nos filmes o que me deixou logo ainda mais interessada! Mencionou, também, coisas interessantes como um colete pesar 18kg e uma mala pesar cerca de 50kg (agora já percebi por que é que não há mulheres nos fuzileiros...!). Seguidamente, fomos a mais uma palestra onde soubemos como poderíamos ingressar nas várias variantes das Forças Armadas e depois foi-nos feito um inquérito acerca de toda esta experiência. Por fim, vimos o arriar da bandeira nacional. Entre estas palestras, de manhã e de tarde, havia lanche com sumo, leite, folhados, sandes, etc.
Ou seja, o meu balanço final é muito positivo e eu repetia este dia (mais que não seja para voltar a ver aqueles fuzileiros giríssimos fardados...! ahah). De facto, fomos muito bem tratados e todas as informações fornecidas foram úteis e interessantes. Eu também sou um bocadinho suspeita porque gosto imenso destas coisas de armas, polícia, Força Aérea, combates, guerras e afins e, visto que sou sou fã acérrima dos filmes deste género, adorei contactar com o mundo real e não só com a ficção que se vê por aí.
Quem ainda vai ao Dia da Defesa Nacional que encare este dia de forma divertida e, com um grupo animado como eu tive, verá que não é assim tão mau!

domingo, 4 de novembro de 2012

Taken 2 - A Vingança


Já o fui ver ao cinema há uns tempos, mas com a minha falta de tempo (como já devem ter dado conta), ainda não tinha tido tempo para vos vir falar acerca deste filme! Como não pretendo ser spoiler, não vos quero contar nada da história, mas sim a minha opinião geral acerca do filme.
Ora, como eu adoro o meu querido Liam Neeson o filme não poderia, de forma alguma, ser mau. Tem um pouco de ficção no sentido de haver cenas super improváveis de acontecer, mas isso até lhe confere uma certa graça. Também se fosse tudo verosímil não tinha tanta piada, não é? A ideia da história é semelhante à do Taken 1 (A Busca Implacável , em português), no entanto desta vez procura-se a mãe e não a filha. E esta filha terá um papel muito importante neste resgate, bem como o pai, como já se esperava. Comparando os dois filmes, penso que o primeiro foi mais interessante, não sei se pelo facto de ser o primeiro e logo "a novidade" ou por ter sido a rapariga a ser raptada e haver todo um esforço sobre-humano do pai para salvar a sua menina... Não sei, mas admito que o primeiro me tocou mais. Não obstante, gostei imenso deste segundo filme e obviamente que está altamente recomendado para quem gosta de acção!
Pontuação: 8,5

(a partir de agora darei pontuação aos filmes, que acham?!)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Choro

Deito-me na cama e, quase sem dar por isso, as lágrimas escorrem silenciosamente pelo rosto. Nem eu sei bem pelo que choro, só sei que tenho vontade de chorar. Talvez pela falta, talvez pela indiferença, talvez pelo que ficou por viver. Não sei. Choro pela saudade. Sim, deve ser pela saudade. Ou então não. Choro porque já não é presente e se transformou em passado. É isso, choro pelas memórias. Choro porque são demasiado boas e eu não as consigo apagar. Fico em silêncio, de olhos fechados e com a almofada cor-de-laranja contra o peito. Aperto-a com força. E revivo os momentos. Escassos momentos de imensa alegria. Mas são memórias. Aquecem, consolam, mas não nos fazem feliz. Porque não são verdade. E pior ainda, é que foram verdade, um dia, mas deixaram de o ser. E o que magoa mais não é não ter, é saber que já se teve. É um pesadelo, apenas um pesadelo do qual vou acordar. E quando acordar tu vais estar lá, a olhar para mim, com os teus olhos brilhantes e dirás "foi só um sonho, princesa, eu estou aqui e estarei sempre".

I'm always gonna love you

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Aulas pornográficas

Deixo aqui algumas passagens (obviamente soltas e descontextualizadas!) da minha estimada professora de Botânica Farmacêutica:
"A penetração deste é melhor por isso é mais usado";
"Há uns que não penetram bem";
"Vou preservar o meu material quando faço a hidratação";
"Tem maior poder de penetração";
"Limpei a estrutura secretora que permite a actividade";
"Primeiro penetras, depois fixas. Senão acaba por perder a água. No fim podemos guardar o material";
"É constituído por duas partes: uma fixa e pesada e outra móvel que tem uma alavanca que faz subir e descer. E também podemos medir a sua grossura";
"Depois aquilo vai para cima e para baixo";
"Devemos tratar previamente do material antes de o usar".

Sim, eu tenho a mente ligeiramente poluída, mas dado o interesse da aula (LOL!) foi o único entretém que arranjei...!
P.S. Garanto que era dizia "material" com um naughty smile!

Still love him

Enquanto apagares o número dele, o evitares na rua, deixares de ir ao sítios que ele vai, souberes o que ele faz pelo que os amigos te dizem, não lhe falares, ficares incomodada com a presença dele, afastares avidamente todas as memórias que têm juntos, derramares uma lágrima ao veres fotos, recordares o passado com nostalgia e te apetecer que ele morra... Enquanto isso acontecer, ainda o amas. Já dizia Érico Veríssimo que o contrário do amor não é o ódio, mas a indiferença. Porque enquanto o odiares pelo quanto ele te magoou, enquanto as lágrimas te escorrerem pelo rosto quando uma memória te assombra e o soar do nome dele te provocar um calafrio, há amor. É quando as notícias acerca do que ele faz te passarem ao lado, quando vê-lo na rua for como ver qualquer outra pessoa, quando o telemóvel tocar e tu atenderes sem quebras na voz e tremer nas pernas, aí, e só nessa altura, podes dizer que o esqueceste. Que é uma página virada. Um capítulo encerrado. Uma memória armazenada. Até lá? Até lá conforma-te - ainda o amas, por tempo indeterminado.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

I.M.Y.

Yes, that's it. I Miss You. Like crazy.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Past love

Às vezes é complicado. Corrijo, às vezes é impossível não comparar o presente com o passado, não recordar todas as coisas que preencheram a nossa vida durante tanto tempo. É preciso um nível de abstracção de dimensão muitíssimo elevado para conseguirmos destrinçar completamente o passado do futuro e do presente. Porque, na verdade, estas três entidades influenciam-se e comungam-se mutuamente. Por vezes, dou por mim a recordar momentos que passaram, vivências que tive. Dou por mim a reviver cada palavra, cada gesto, cada imagem que guardo na minha mente. E reconstruo os momentos, outrora perfeitos, que hoje em dia não são nada senão quimeras, sentimentos enjaulados, amores perdidos por circunstâncias da vida... Inconscientemente, vou recordando cada momento, refazendo a história, convertendo o passado numa memória presente, e olho para cada canto e consigo sentir perfeitamente a emoção que senti naquele determinado momento. Às vezes ainda penso que isto é mentira. Que a qualquer momento tudo vai voltar como por magia, e que este presente, que ainda me é alheio, vai deixar de existir. Ainda é estranho, sabes? Ainda é muito estranho. Não consigo simplesmente passar uma borracha em tudo. A intensidade não o permite, nem tão pouco as memórias. Até o vento me traz o que eu quero esquecer. Talvez esteja mesmo destinado assim. Mas a verdade? A verdade é que eu acredito na história do Noah e da Allie. E isso diz tudo.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Sondagem Nº 35 - Cometerias uma loucura por amor?


Achei uma pergunta interessante na medida em que o amor é mesmo a força que nos faz cometer as maiores loucuras, as maiores asneiras, que nos leva a arriscar e a dar tudo de nós. Assim sendo, aqui ficam os resultados desta sondagem:
  • 1º lugar - 68% da votação - 34 votos - Sim, mas apenas se estivesse muito apaixonado - "Há sempre  alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura". Penso que foi nesta fase que muitos se basearam para optar por esta opção. De facto, para algumas pessoas, apenas um nível muito elevado de amor e paixão geram loucura. Desde que seja uma loucura saudável, eu sou apologista de que sejamos loucos!
  • 2º lugar -16% da votação - 8 votos - É pouco provável que cometesse - Este grupo de pessoas considera que, mesmo muito apaixonados, as loucuras são algo muito improvável de acontecerem. Há quem seja um pouco céptico em relação ao amor e não esteja para se magoar sem achar que vale mesmo a pena! Juízo têm esses!!
  • 3º lugar - 10% da votação - 5 votos - Sim, cometeria facilmente uma loucura por amor - Aqui estão os românticos incuráveis que acreditam que tudo vale a pena, que o amor vale a pena e que mais vale chorar pelo que foi feito do que pelo que ficou por fazer! Eternos apaixonados, go ahead!
  • 4º lugar - 6% da votação - 3 votos - Não, jamais - Aqui estão os verdadeiros "anti-loucuras"! Tenho para mim que estas pessoas são as piores. Posso estar enganada, mas aquelas que mais dizem "amor?! que horror, nem acredito nisso..." quando se apaixonam são as mais loucas e as que mais se entregam. Just sayn'!
Obrigada pela vossa colaboração e votem na proxima! XOXO

domingo, 21 de outubro de 2012

Vencedora do sorteio do blog A Fabulous Addiction

Queria aqui partilhar com vocês que fui a vencedora do 1º sorteio do blog A Fabulous Addiction da querida Mariana Ramos. Passem por lá porque é um blog que merece ser lido.
Aqui ficam os meus prémios:

Livro escrito em inglês da Lauren Conrad, acompanhado de um marcador personalizado e uma bolsinha com 2 vernizes.

2 vernizes: Apuro (rosa) e Branco da Cliché e bolsa cor-de-rosa.

Livro da Lauren Conrad L.A. Candy e marcador personalizado com imagem e nome do blog.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

O pior lado do amor

"E depois de algum tempo eu percebi que esquecer não significava ignorar um telefonema ou evitar um reencontro casual. Eu descobri que quando esquecemos, atendemos o telemóvel e a voz não falha e que os reencontros casuais não fazem as pernas tremer. Eu descobri que o lado mais triste do amor é não sentir mais nada."

Totalmente de acordo, sem tirar nem pôr!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Rapazes, percebam isto, é simples:

Quando uma rapariga diz "não venhas", vocês têm de vir! Quando uma rapariga diz "não fales", vocês têm de falar! Quando uma rapariga diz "não quero", ela quer! Quando uma rapariga diz "não te incomodes com isso", vocês têm de se incomodar! Quando uma rapariga diz "não precisas de me levar a casa", vocês têm obrigatoriamente de a levar! Quando uma rapariga diz "não me digas mais nada", vocês têm de dizer! Quando uma rapariga diz "faz o que quiseres", ai de ti que faças o que queres! Quando uma rapariga diz "deixa-me em paz", não a largues! Quando uma rapariga diz "gosto muito de ti", não digam simplesmente "eu também"! Quando uma rapariga diz "não te quero ver mais", ela quer que tu mostres que estás lá! Quando uma rapariga diz "acabou", ela quer que tu lutes! Quando uma rapariga diz "não precisas de vir", tu tens de ir! Quando uma rapariga diz "vai ter com ela, não há problema", se fores ter com ela vais arranjar o maior problema da tua vida! Quando uma rapariga diz "não", é sim! Isto é tão simples. Basicamente, nós funcionamos ao contrário mas vocês, estúpidos, têm a lata de dizer "mas tu é que disseste...". Rapazes, nunca percebem nada...!

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

William Shakespeare diz:

«Depois de algum tempo, aprendemos a diferença, a subtil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendemos que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começamos a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. E começamos a aceitar as nossas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança

terça-feira, 16 de outubro de 2012

domingo, 14 de outubro de 2012

Don't give up

Sweet Sunday


Hoje aproveitei para dormir e recarregar energias da semana que tive a 250km/h! Ontem apenas preenchi o meu caderno de Laboratório de Biologia com o registo das experiências realizadas na aula e fiz alguns exercícios de Química Geral. Durante a tarde fui sair, logo hoje é dia de estudo. O tema principal será Anatomia Humana já que vamos ter um pequeno teste de duas perguntas que ou se tem 0 ou 10 ou 20. Sim, é isso mesmo. Isto da faculdade é uma coisa giríssima! Hoje o meu melhor amigo vai ser o Netter em formato digital. Wish me luck, cause I really need it!!

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Faculdade é igual a:

Sair às 13h e só almoçar as 14:30h. Demorar 1h e tal de caminho. Doer-me os pés até mais não. Aulas atrás de aulas sem tempo para almoçar. Orais e testes de Anatomia semanais. Calhamaços para estudar. Apontamentos mal tirados com uma letra terrível. Professores que são a matéria à velocidade da luz. Comidas de cantina sem sabor. Correrias para apanhar o metro. Stress para não perder o barco. Professores que nem sabem o teu nome. Desesperar pelo fds por ter tempo para descansar. Festas até ao outro dia de manhã. Bebedeiras. Sebentas escritas à mão. Livros seleccionados por nós. Fichas da reprografia que se tornam as nossas melhores amigas. Pessoas novas a cada segundo. Exames que valem 100% da nota. Outros que valem 70%. Frequências. Falta de tempo. Cansaço constante. E muito, muito empenho! Nem tudo é bom, nem tudo é mau. Apesar de todos os "contras", os "pros" compensam também! É um mundo absolutamente novo que tenho a certeza que adoraram, adorarão ou estão a adorar!

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Verão 2012 | Fotos

Com o final do Verão e o início do ano lectivo, decidi partilhar aqui algumas fotos que compilam os melhores momentos deste Verão de 2012. Espero que gostem!














terça-feira, 9 de outubro de 2012

Estou a dar em louca, sim

As minhas terças e quintas feiras são sempre um luxo: começam com Anatomia Humana às 8h, segue-se Química Geral, depois Matemática, logo a seguir Biologia Celular e, por fim, Botânica Farmacêutica. Isto tudo seguidíssimo!! Quase sem intervalos e tempos para respirar. Todas teóricas. Eu e mais 200 e tal zombies (sim, zombies, porque aquelas aulas dão um sono de morte! Quando os professores apagam as luzes então...) num auditório! E depois tenho uma professora de Matemática no mínimo "confusa" e uma professora de BioCel que é a coisa mais secante do mundo. Já nem falo de Botânica porque o mais que falamos é sobre os Jardins Botânicos e as excelentes esplanadas que eles contêm!! Estou a dar em louca. L-i-t-e-r-a-l-m-e-n-t-e. Quem não gosta de dar o litro, o curso de Ciências Farmacêuticas não é, de todo, aconselhável! É interessante, sim, mas muito trabalhoso! Agora vou estudar a minha apresentação oral de Anatomia Humana, au revoir!

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

The one and only

Existem variadas pessoas por quem já nutrimos sentimentos amorosos. Uns mais fortes, outros mais fracos, uns que duram mais, outros que duram menos, mas todos nós já gostámos de várias pessoas, já nos apaixonámos por elas e nos desapaixonámos também. Começamos por conhecer alguém que, aos poucos, se vai tornando especial; vamo-nos identificando com ela, sentimo-nos bem a seu lado, começamos a experimentar novas emoções e cada vez ansiamos mais pela sua presença. Por poder olhá-la, beijá-la e senti-la. É um processo que tanto pode ser rápido como longo, que tanto pode durar uma semana, um mês, um ano ou uma vida. Tudo depende da forma como nos entregamos e da forma como a outra pessoa está disposta a entregar-se. Vivemos bons momentos a seu lado, alguns deles inesquecíveis. Contudo, mais cedo ou mais tarde, na maioria das vezes tudo acaba por ter um fim. As acções passam a memórias e os sentimentos são "arrumados" numa parte obscura de nós. Progressivamente vão sendo postos de lado, esquecidos, arrecadados num local onde já não nos lembramos de ir remexer. Porém, há sempre aquela pessoa com quem isto não acontece. Eu acredito que cada um de nós tem na sua vida uma pessoa que nos marcou de forma extraordinária. Provavelmente, ao longo dos anos, essa pessoa vai mudando, isto é, há dois anos a pessoa que mais me tinha marcado não é a mesma pessoa que mais me marca agora mas, mesmo assim, e ainda que essa pessoa não seja imutável, temos uma entidade que consegue despoletar em nós aquilo que mais nenhuma consegue. Todos temos aquela pessoa que basta dizer uma palavra para que todos os sentimentos encafuados num baú venham ao de cima, que com um sorriso nos traz mil memórias, com um gesto nos arrepia. Aquela pessoa de quem não conseguimos evitar ter ciúmes, mesmo que não tenhamos razões (nem direito!) para tal. A mesma pessoa que consegue mudar o nosso humor do melhor para o pior em menos de um segundo. A pessoa que nos marca. Que nos marca verdadeiramente. Essa pessoa existe em cada um de nós. E por vezes? Por vezes é difícil viver sem ela...

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Isto é que me irrita

Gostar de uma música e não a ouvir porque ela me faz lembrar algo que não quero recordar. Que ódio.

domingo, 30 de setembro de 2012

Rapazes, desenganem-se porque todas as raparigas gostam...

de uma mensagem de bom dia e outra de boa noite. De uma surpresa quando menos esperam. De receber os parabéns à meia noite. De um ramo de rosas vermelhas. Que lhes dediquem uma música. De uma mensagem comprida que diga o quanto as amam. Que as abracem em frente aos seus amigos. Que digam que ela é "a tal". Que lhes emprestem a camisola quando têm frio. De convites para sítios diferentes. De abraços apertados. Que as apresentem à família. Que falem delas aos amigos. Que as incluam nos vossos planos. De um beijo no meio da multidão. Que lhes digam que naquela dia estão especialmente bonitas. Que reparem quando ele usa algo novo. De um telefonema a meio do dia para saberem onde ela está. Que as levem ao cinema. Que as convidem para ver o pôr-do-sol. De gestos simples que mostrem o quanto se interessam por ela. Todas as raparigas gostam, até as mais irredutíveis e difíceis são derretidas com estes gestos. Não se iludam rapazes, nós somos mais simples do que o que vocês pensam!

sábado, 29 de setembro de 2012

New life

Pois é, estou numa nova vida. Este mundo universitário é totalmente novo para mim. Entrei em Ciências Farmacêuticas na Faculdade de Farmácia de Lisboa. Já aqui tinha partilhado o meu desejo de ingressar pela Medicina, mas infelizmente os exames não correram da melhor forma. A verdade é que contava dividir os exames, isto é, fazer Matemática e Biologia na primeira fase e Físico-Química e Português na segunda, como se podia fazer nos anos anteriores. Acontece que, este ano, o excelentíssimo Nuno Crato disse que os exames tinham de ser obrigatoriamente realizados na primeira fase e que a segunda seria exclusivamente para melhorias de nota. Esta lei que saiu já com o meu 12º ano começado veio trocar-me as voltas e, portanto, vi-me obrigada a fazer 4 exames no espaço de uma semana. A experiência não foi nada boa. O que ocorreu foi que não me consegui concentrar para nenhum, e fazendo "bocadinho aqui, bocadinho ali" acabei por não fazer nada de jeito! Por isso, este ano estou em Ciências Farmacêuticas, vamos ver como corre. Até posso gostar do curso e desistir da ideia de Medicina, por agora está tudo em aberto! As primeiras impressões da faculdade são positivas, no entanto é tudo super diferente. Acho que é a primeira vez que sinto uma mudança enorme a nível académico. O meu curso tem 6 cadeiras por semestre, neste primeiro: Matemática, Química Geral, Botânica Farmacêutica, Biologia Celular, Laboratório de Biologia e Anatomia Humana. Ainda só tive Matemática e Botânica porque há certas cadeiras que só começam a 8 e 15 de Outubro. Só as aulas práticas é que são obrigatórias, pelo que, se quiser, 3ª e 5ª não ponho os pés em Lisboa! Contudo, de início, vou a todas as aulas teóricas para depois poder seleccionar quais as que vale realmente a pena ir. O curso parece-me puxado, mas isto pode ser só impressão! Na primeira aula de Matemática fizemos derivadas "simples" que no secundário eram consideradas das mais difíceis. O trabalho na faculdade é maioritariamente feito a partir de casa. Nas aulas os professores (e atenção, não são "stores" são "professores") debitam a matéria e o trabalho tem de ser praticamente todo do aluno. Gostei imenso do professor de Matemática, super simpático e acessível e também da de Botânica, pareceu-me simpática. Mas vamos ver com o tempo. Estou entusiasmada com esta nova etapa, mas já vi que a minha vida social vai a modos que morrer!!!

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Retrospectiva

Hoje senti uma nostalgia profunda ao lembrar-me de tudo. Gostava de estar a iniciar agora o 12º ano que, para mim, foi o melhor ano de todo o meu percurso escolar. É um ano marcante, um ano de escolhas, de metas e objectivos, um ano de "tudo ou nada", mas sobretudo um ano de despedida. No final deste ano vimo-nos obrigados a cortar as raízes e a ganhar asas e este facto pode ser simultaneamente bom como também assustador. O balanço deste ano foi muito positivo, foi um ano em que tive notas excelentes, no qual tive uma vida emocional bastante estável, vivi um grande amor, fiz amigos fantásticos, estabeleci uma relação com os professores extraordinária, ganhei liberdade, espírito de descoberta, e cresci. Sim, este ano cresci verdadeiramente. Sinto que me tornei mais mulher, mais madura, que pus de lado certas "miudices" que ainda estavam muito presentes no 11º ano. Tive oportunidade de conhecer algumas pessoas novas visto que as turmas se fundiram devido às opções, mas consegui além disso reforçar as amizades já trazidas de anos anteriores. Vai custar-me muito (e já custa!) olhar para o lado e não ver a M. e a C., os outros também, claro, mas estas duas pessoas que fizeram parte da minha vida escolar todos os dias vão deixar de estar lá. Com quem irei eu trocar os sorrisos cúmplices durante a aula? E para quem vou olhar sem ter de dizer uma palavra, sabendo que essa pessoa sabe exactamente o que penso? Há certas coisas que me assustam, de verdade. Sou pouco receptiva a mudanças e tenho um medo enorme de fracassar, a todos os níveis: seja uma inadaptação às novas disciplinas (que agora se chamam cadeiras, right?) ou mesmo uma dificuldade em lidar com os novos colegas. A vida está cheia de mudança e esta é a primeira grande mudança que tenho de viver. O que tem de ser tem muita força, mas ainda não consigo olhar para as fotos do baile de finalistas sem que uma saudade enorme me preencha o espírito, porque eu sei que aqueles momentos jamais se irão repetir com aquelas pessoas. Resta-me guardar as memórias e usá-las como força e inspiração. E esperar que as verdadeiras amizades superem a distância e o afastamento que esta nova fase trará. Vamos a isso. Modo faculdade: ON!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Românticos


No amor nem sempre se ganha, na verdade, muitas vezes, perdemos mais do que ganhamos. Perdemos tempo, amor próprio e dignidade. Perdemos partes de nós, partes genuínas, doces, puras e belas, perdemos coisas irrecuperáveis. Tudo em prol de quê? De um sentimento fugaz, uma triste eloquência que quisemos experimentar. As repercussões de uma decisão mal tomada mostram-se, por vezes, inglórias. Eu tendo a racionalizar os sentimentos, a dar um nome a cada coisa, idealizo até um presente, um futuro próximo. Sou assim, romântica. Um grande problema nos dias de hoje... Nós, os românticos, oferecemos de bom grado o que de melhor temos sem sequer pensar nas consequências de tal atitude, o que é facto é que não pensamos num amanhã a preto e branco, mas sim cheio de cores, entregamo-nos sem reservas. O "para sempre" é inerente ao desejo de amar e o "talvez" não se coloca: ou "sim" ou "não". Nós, os românticos, somos patéticos. É verdade. Patéticos. Porque ainda nos damos ao trabalho de acreditar que um dia vai ser diferente, que surgirá uma história de amor pura e genuína, coisa que não existe, excepto nos livros do Nicholas Sparks. Rimos à gargalhada e choramos copiosamente com uma facilidade que até a nós nos assusta. Resguardamo-nos quando somos magoados com a convicção inabalável de que não voltaremos a ser ingénuos. But, guess what? Voltamos a sê-lo. Over and over again. Há coisas que nos magoam, coisas que outras pessoas não entendem. Ligamos a pormenores, ténues detalhes que passariam despercebidos a qualquer um, menos a nós. Ser romântico é uma desvantagem imensa em pleno século XXI, mas sabem que mais? Eu gosto de ser assim.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Paradoxo

Never say never, cause never is too much time. So, why say forever?

sábado, 22 de setembro de 2012

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

São precisas mais pessoas como esta!


'Na realidade eu não poderia, com coerência, ficar bem comigo mesma, receber um prémio literário que me honra tanto, cujo júri é formado por poetas, os meus pares mais próximos - pois sou sobretudo uma poetisa, e que me honra imenso -, ir receber esse prémio das mãos de uma pessoa que está empenhada em destruir o nosso país', explicou Maria Teresa Horta à Lusa".

E quem fala assim não é gago! Mulheres avante!

Fear


O medo é inerente à vida, aliás, quem nada teme é porque nada ama. Por isso, o ser humano vê-se obrigado a lidar diariamente com situações que o assustam, que mexem com ele, que o chegam a apavorar. As nossas opções face a esses receios que preenchem indubitavelmente o nosso dia a dia são poucas: enfrentar ou desistir. Por vezes, decidimos enfrentar os nossos fantasmas com forças que nós próprios não temos, mas fazêmo-lo porque vale a pena, porque é melhor arriscar e perder tudo do que não arriscar e ficar com pequenos nadas. No entanto, há situações nas quais nos resguardamos, preferimos não dar tudo de nós, ficar com menos em prol de um bem-estar que, apesar de não ser pleno, nos permite viver com serenidade. Há sempre o terceiro lado, o "porquê" de arriscar ou de desistir. Aí, as variantes são outras, aí entra não só a nossa força de espírito, como também a avaliação prévia da situação, porque verdade seja dita, que muitos dos riscos que corremos são inglórios e só os corremos porque somos seres humanos, e como seres humanos que somos, tomamos decisões estúpidas. Já dizia o nosso grande Bob "Dificil não é lutar por aquilo que se quer, é sim desistir daquilo que se mais ama. Eu desisti. Mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, mas sim por não ter mais condições de sofrer". De facto, chegamos a um limite tão esgotante que as nossas forças parecem não chegar nem para respirar, e desistimos. Não que não houvesse fúria dentro de nós capaz de continuar a alimentar uma esperança mal calibrada, mas porque, humanamente, a nossa condição de sofrer atingiu o auge.
O medo é saudável, o querer lutar ou desistir é saudável, apenas me interrogo a mim mesma, depois de lágrimas vertidas e desesperos ardentes "será que algum dia eu vou conseguir desistir?".

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Love thoughts


Some people believe in true love. Some people don't. I do. I believe that there's somewhere, someone who is your soulmate, who would do anything for you, who was made for you. Someone you love more than anyone else, more than you love yourself. I just fear I never find that person...

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Once in a lifetime love

The Vow

Porcaria da ficção

Hoje acordei com o coração a saltar-me pela boca porque sonhei que tínhamos o mundo invadido por walkers (estão a ver o "The Walking Dead"?, pois!). Tinha morrido imensa gente, não havia comida, não havia praticamente pessoas, apenas walkers por todo o lado. Digo-vos, acordei com um medo que valha-me Deus!

sábado, 8 de setembro de 2012

Novo recorde

47kg é o peso actual! Agora não quero emagrecer mais, estou bem assim. Yey!!

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Com quem é que ela fica melhor?

Como sabemos, a nossa Rachel McAdams tem diversos filmes românticos. Aqui ficam alguns dos rapazinhos com quem ela contracenou. Com qual acham que fica melhor?

Rachel McAdams and Eric Bana, em Time Traveler's Wife

Rachel McAdams and Ryan Gosling, em The Notebook (para quem não sabe, eles chegaram mesmo a ficar noivos na vida real)

Rachel McAdams and Channing Tatum, em The Vow

Rachel McAdams and Robert Downey JR, em Sherlock Holmes

Rachel McAdams and Owen Wilson, em Midnight in Paris


Então, qual o vosso casalinho preferido? Eu cá acho que ela fica perfeita com o Ryan!! Mas também pode ser derivado da eterna história de amor do Noah e da Allie.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

O Diário da Nossa Paixão

Revi, pela enésima vez, este filme ontem à noite. A minha expressão facial a ver este romance oscila entre um sorriso estúpido e comovido e uma lágrima no canto do olho. Para mim, esta é a melhor história de amor de sempre, pelo menos a mais genuína, aquela que em jovens nós acreditamos. O Noah e a Allie fazem um par de sonho, aquela personalidade forte de ambos e o amor que nutrem um pelo outro fazem-nos acreditar que o amor verdadeiro ainda é possível - ainda que estejamos 7 anos separados do nosso mais-que-tudo - porque no fim tudo acabará como deve acabar. É, realmente, uma história que me toca, não só pelo grande e eufórico amor vivido em jovens, como em adultos e, posteriormente, em idosos. Quando acabo de ver o filme só me pergunto "será que eu também vou ter o meu grande amor a ler para mim a nossa história de amor quando tiver Alzheimer e já não me lembrar dele?", porque isso sim, é amor verdadeiro.